RISCO DE TROMBOEMBOLISMO VENOSO ASSOCIADO À GRAVIDEZ VARIA COM O TIPO DE TROMBOFILIA

By: | Tags: | Comentários: 0 | Abril 2nd, 2018

Diferentes deficiências de proteínas, mutações conferem variados riscos.

Molly Walker, Staff Writer, MedPage Today. 27, Outubro, 2017

Mulheres com histórico familiar de TEV, o risco de tromboembolismo venoso associado a gravidez variou dependendo do tipo de trombofilia.

Enquanto todas as trombofilias aumentam o risco de TEV associado à gravidez, aquelas com maior risco absoluto foram à deficiência da antitrombina, deficiência de proteína C, deficiência de proteína S e a deficiência homozigótica do Fator V Leiden.

Já o risco absoluto foi muito menor nas mulheres com Factor V Leiden heterozigoto, mutação heterozigótica da protrombina G20210A, ou associação de Fator V Leiden heterozigoto e mutação heterozigótica da protrombina G20210A.

As trombofilias com menor risco combinado absoluto (Fator V Leiden, mutação heterozigótica da protrombina G20210A e combinação Fator V Leiden heterozigoto e mutação G20210A protrombina) Todas abaixo de 3%. O risco estimado para o Fator V Leiden heterozigoto e mutação heterozigótica da protrombina G20210A “foram menores”.

Concluiram: “mais investigações para estimativas mais precisas são necessárias”, mulheres com deficiência de antitrombina ou proteína C ou proteína S e histórico familiar de tromboembolismo, e todas as mulheres com mutação homozigótica para o Fator V Leiden devem ser consideradas para profilaxia rotineira para trombose.

You must be logged in to post a comment.

Fale Conosco
Agende uma consulta Fale com o Doutor Receba nossa Ligação