Inseminação Artificial

Inseminação Artificial

Coito Programado

O coito programado, ou relação sexual programada, pode ser acompanhado de duas formas. Com a monitorização da ovulação natural ou utilizando medicações hormonais que atuam direta ou indiretamente nos ovários estimulando-os a desencadear uma ovulação.

Nos casos em que a paciente ovula naturalmente com regularidade, realizamos a monitorização do ciclo através da ultrassonografia seriada e dosagens hormonais para o acompanhamento do desenvolvimento, amadurecimento e ruptura do folículo ovariano destinado à ovulação. 

Ou estimulamos a ovulação através do uso de medicamentos hormonais que atuem direta ou indiretamente sobre os ovários para desencadear a ovulação. Nessa situação, usamos uma quantidade mínima e efetiva de medicamentos com o objetivo de que poucos folículos entrem em rota de crescimento para a ovulação. 

No coito programado acompanhamos o desenvolvimento folicular e endometrial através da ultrassonografia e, algumas vezes, dosagens, no sangue, dos hormônios. Quando o(s) folículo(s) atinge(m) a maturidade (19 a 24 mm) e o endométrio está bem diferenciado (>9 mm), procuramos sincronizar uma relação sexual para esse período, aumentando as possibilidades de uma gravidez. O momento exato da ovulação pode ser calculado por exames hormonais e ultrassom, ou desencadeado por medicamentos específicos (gonadotrofina coriônica humana). 

O coito programado com a estimulação ovariana está indicado, principalmente, para casais em que as mulheres tenham as trompas uterinas saudáveis, não ovulem corretamente e os homens possuem sêmen normal. Além disso, pode ser indicado também para aqueles casais com infertilidade, que mesmo após uma investigação criteriosa, não apresentam uma causa definida. 

  • Inseminação Intrauterina (IIU)

    Tem como objetivo promover o encontro entre óvulo e espermatozoides, por ocasião da ovulação, para que a fertilização possa ocorrer. A inseminação intrauterina é um tratamento considerado de menor complexidade. Após uma ovulação natural ou estimulada por hormônios, os espermatozoides são colocados diretamente no útero para que a fertilização ocorra naturalmente.

     

    A gravidez natural depende do encontro entre os espermatozoides e o óvulo em local e momento correto. O local correto é a porção distal das tubas (trompas) e o tempo certo, imediatamente após a ovulação. Entende-se como inseminação intrauterina a colocação dos espermatozoides preparados dentro do útero no momento da ovulação. Isso assegura que o momento está certo e os espermatozoides o mais próximo possível de onde deveriam estar. A inseminação é uma forma de tratamento que pode aumentar as chances de gravidez. É também um método menos doloroso e mais barato.

     

    Pode ser realizada em um ciclo natural da mulher, caso ela possua ovulações normais, ou em um ciclo estimulado com hormônios. No ciclo natural, monitoramos com ultrassom o desenvolvimento do folículo dominante, destinado à ovulação e, no momento exato, preparamos o sêmen no laboratório e colocamos diretamente no útero. No ciclo determinado, estimulamos os ovários com hormônios até que um ou mais folículos atinjam a maturidade para ovulação. Alcançada a maturidade folicular, o sêmen do parceiro preparado em laboratório, é introduzido diretamente no útero, da mesma forma que no ciclo natural. Os espermatozoides podem ser do parceiro ou de um doador

     

    A IIU está indicada para casais que não possuem grandes problemas de infertilidade, como aqueles cuja mulher tem as trompas e útero normais e o homem com alterações espermáticas leves. Pode ainda, ser apropriada na idade inferior a 35 anos e:

     

    • Infertilidade sem um diagnóstico identificado;
    • Endometriose leve (pequenos pedaços do endométrio – camada interna do útero – encontrados fora do útero, por exemplo, nas tubas uterinas, ovários, bexiga);
    • Parceiro com fator masculino leve, ou uma incapacidade de ejacular durante a relação sexual;
    • Mulheres solteiras;
    • União homoafetiva.

     

    Após uma consulta e consentimento para o tratamento personalizado estaremos monitorando o ciclo através de exames de ultrassom e coleta de exames de sangue, quando necessários. Dependendo do número, tamanho dos folículos e da espessura endometrial, administraremos uma injeção para desencadear a ovulação.

     

    Os espermatozoides são cuidadosamente lavados, preparados e a inseminação é realizada no melhor momento para obtenção da gravidez.

     

    É possível realizar um teste de gravidez duas semanas após a inseminação. Se for positivo, é necessário o agendamento de um exame de ultrassom na nossa Clínica para a confirmação da gravidez.

     

    Para mais informação sobre inseminação intrauterina entre em contato conosco.

  • Estimulação da Ovulação

    O conhecimento do ciclo menstrual natural de cada mulher, ou seja, ter a certeza de que o óvulo maduro foi liberado no momento correto e pronto para fertilização, é possível para nos orientar se a concepção natural seria a melhor conduta.

     

    Para que ocorra a concepção, espermatozoides e o óvulo devem se encontrar nas tubas uterinas (trompas). O embrião fertilizado é nutrido, se desenvolve e caminha ao útero para implantação. Ao mesmo tempo em que o óvulo se desenvolve nos ovários produz os hormônios necessários para preparar o útero (endométrio). Quando o óvulo é liberado (ovulação), há uma mudança na função do folículo para produção de hormônios, fornecendo ao útero condições adequada para o crescimento do embrião nas primeiras semanas da gravidez. Se a ovulação não ocorre regularmente todos os meses, a probabilidade de concepção está diminuída de forma significante.

     

    Existem inúmeras causas para falta de ovulação. Mas, a ovulação regular pode ser reestabelecida pelo uso de medicamentos (comprimidos ou injeções). Cerca de sete em dez mulheres que usam esses medicamentos irão ovular e quatro em dez engravidarão nos primeiros três meses. Os medicamentos para ovulação estimulam o desenvolvimento e liberação de óvulos maduros prontos para fertilização. A escolha do medicamento será baseada em uma avaliação prévia cuidadosa.

     

    Durante o ciclo de estimulação da ovulação, serão feitos exames de ultrassom e coleta de sangue (dosagens hormonais) para certificação de que o tratamento está resultando em desenvolvimento e ovulação corretamente. É importante ressaltar que todas as mulheres que possuem menstruações regulares, ciclos de 28/30 dias de intervalo, ovulam regularmente.

     

    Se você acha que este tratamento poderia ajudá-la entre em contato conosco através do nosso site ou agende um horário na nossa Clínica em São Paulo.

Voltar ao topo


Se você ainda tem dúvidas sobre esse assunto entre em contato conosco!

Fale com o Doutor

Dr. Gilberto da Costa Freitas

Doutor em Medicina Reprodutiva pela USP, especialista em reprodução humana há quase 30 anos e possui excelência nos tratamentos.

Fale Conosco
Agende uma consulta Fale com o Doutor Receba nossa Ligação